quinta-feira, 17 de junho de 2010

Le rencontre

O moço apareceu de repente
Entre cafés, sorvetes e sorrisos
Foi fazendo-se presente
Entre olhares, beijos e frases
Renovou o desejo do querer bem

Tinha olhos gentis
Rascunhava sonhos em seu caderninho de capa azul
Admirava a beleza das formas
Caminhava sem pressa pelas ruas de Paris

Como no fabuloso mundo da suave Amelíe
Com seus petits plaisers
Ela deliciava-se ao desvendar os adoráveis mistérios daquele encontro
Deixava a imaginação flutuar ao ouvi-lo falar de seus inúmeros planos

Desejou com ele seguir
Pelos corredores do Louvre
Pelos canais de Veneza
Pelas ramblas da Barcelona de Gaudí
O destino não importa, basta estar ao lado e caminhar

Como quem acorda de um sonho bom
O viu despedir-se lentamente
Au revoir mon chérie
Já não posso ficar
Deu-lhe um beijo de boa sorte
E seguiu sem pra trás olhar

Na lembrança restam agora fragmentos sinceros
De um encontro delicado
Quem sabe um dia pronto a ser redesenhado

Por: Daniella Barbosa

2 comentários:

Nina disse...

E a vida não é feita de bons reencontros. Acredite neles

Ana Carolina

FelipeF disse...

Há muito tempo eu não leio um poema assim que me faça vizualizar as cenas escritas, imaginar a história e me perder em sonhos, desvaneios e bons pensamentos... Acho que o mundo hoje é muito corrido para nos lembrarmos das pequenas coisas que tornam a vida prazerosa, mais humana e bonita! Bom, o que eu quero é agradecer por deixar minha noite mais assim, cheia de vida! De sonhos! Não sei se você abandonou seu blog ou se apenas deu um tempo (a ultima postagem é de 2012 se n me engano) mas gostaria de ler mais criações suas. A criatividade é uma coisa que me fascina, e esse seu poema... Maravilhoso!